GEOCACHING, um desporto emergente

O Geocaching, para os menos familiarizados com este crescente fenómeno a nível mundial, mais do que um jogo, é uma atividade desportiva praticada ao ar livre, que permite a quem a faz desenvolver as suas capacidades de detetive e geralmente de conhecer novos locais, por vezes muito interessantes e cuja existência nos passaria ao lado.

Com recurso a um recetor GPS (Sistema de Posicionamento Global) seja num equipamento específico, num smartphone, num tablet ou outro), a software próprio capaz de nos guiar até às caches escondidas ou de registar a posição onde instalamos uma cache nossa, esta é uma atividade que qualquer praticante pode desenvolver, em praticamente qualquer local deste planeta. No início de 2016 existiam já mais de 2,7 milhões de caches ativas e estima-se que existissem mais de 6 milhões de praticantes, ou geocachers, em todo o mundo.

 

Secção de Geocaching

Sendo esta uma atividade realizada em comunhão com a Natureza, não passou despercebida à Associação Os Montanheiros que, desde logo, contou com vários praticantes entre os seus associados e membros dos órgãos sociais. Pareceu-nos então natural que se criasse no seio da associação uma secção desta modalidade. Mãos à obra e, no dia 20 de fevereiro de 2016, em assembleia-geral, a Associação Os Montanheiros criou a SECÇÃO DE GEOCACHING.

O Geocaching é uma modalidade recreativa eminentemente individual, desde a criação das caches à prática de as encontrar, pelo que a Associação Os Montanheiros aquilo que pretende é criar um espaço e oportunidade para que a comunidade local de geocachers possa, em primeiro lugar, conviver e trocar impressões.

Pretende-se explorar algumas vertentes desta modalidade, pouco trabalhadas e cujo vazio esperamos ajudar a preencher. É o caso da realização de ações de esclarecimento da comunidade iniciante, sensibilizando-os quanto à forma como deve ser praticada esta atividade, ao nível técnico e do respeito pela natureza e pela propriedade privada. Esta será ainda uma oportunidade para se pensar em ações do interesse comum, como a organização de eventos ou o esclarecimento de novas situações que surjam.

A SECÇÃO DE GEOCACHING estará também disponível para servir de interlocutor, entre a comunidade de praticantes e entidades públicas ou privadas, em representação dos geocachers que se identificarem com este projeto, quer esclarecendo outras entidades dos anseios dos praticantes, quer veiculando informação destas até junto de quem pratica regularmente esta atividade urbana e de natureza.

Fica aqui o repto a todos os geocachers que queiram apoiar este projeto, com ideias ou na organização de ações de grupo, que contactem o responsável por esta secção. A recetividade é total, quer para assegurar a regularidade de ações que possam ter sido feitas nos últimos anos e que interessa manter, quer para novos desafios que se apresentem.

Convidam-se todos os geocachers a subscreverem a newsletter no portal dos Montanheiros, de forma a serem notificados de todas as notícias e atividades referentes a esta e outras modalidades.

 

Geocaching nos Açores

Os Açores não ficaram indiferentes a este novo conceito desportivo de ar livre e, como tal, a dispersão de caches (ou “caixinhas” como também são referidas) tem coberto rapidamente toda a região, contando, no início de 2016, com 2099 geocaches lançadas. De igual forma, são já muitos os geocachers açorianos a praticar a modalidade, naturais de todas as ilhas.

Tendo em conta a realidade açoriana, apresentamos alguns elementos sobre a implementação da modalidade entre nós, registando-se alguns resultados interessantes:

 

NÚMERO DE CACHES POR ILHA  
São Miguel 980
Terceira 514
São Jorge 140
Faial 104
Santa Maria 102
Pico 96
Flores 75
Graciosa 58
Corvo 30

 

Nº DE CACHES/ MIL HABITANTES  
Corvo 65,4
Flores 20,1
Santa Maria 18,1
São Jorge 16,1
Graciosa 13,3
Terceira 9,1
São Miguel 7,1
Faial 7,0
Pico 6,9

 

Nº CACHES/KM2  
Corvo 1,75
São Miguel 1,32
Terceira 1,28
Santa Maria 1,05
Graciosa 0,96
Faial 0,60
São Jorge 0,57
Flores 0,53
Pico 0,22

 

Numa breve análise, conclui-se que as ilhas com menos população têm uma taxa mais favorável quanto ao número de caches por habitante, e que as mais populosas recuperam terreno no que se refere ao número de caches distribuídas por quilómetro quadrado.Mais um dado interessante é o fato do Corvo liderar nas duas vertentes, e o Pico ficar em ambas no fim da tabela.

Infelizmente falta aqui um dos dados mais importantes, concretamente o número de praticantes da modalidade por ilha, o que certamente ajudaria a justificar essa estatística, pois na maioria das vezes são estes os proprietários/gestores das caches, e diversos outros parâmetros como a rede viária e acessibilidades. Diversas outras análises seriam possíveis se houvesse mais dados. Nem todas as caches colocadas nos Açores terão como gestores pessoas residentes na região. Como tal, conseguindo separar umas das outras seria curioso analisar esses números por ilha, em função do número de visitantes que cada qual recebe.

 

As caches que por aí andam escondidas

Nos Açores, como na maioria das regiões espalhadas por todo o mundo, existem diversos tipos de caches. As caches estão distribuídas por todas as ilhas, nos meios urbanos e rurais, do interior ao litoral e, inclusivamente, algumas caches subaquáticas. Predominam claramente as caches tradicionais que, pelo facto das coordenadas corresponderem à sua localização exata, são aquelas mais do agrado da comunidade e por conseguinte as mais visitadas. Também para quem nos visita, condicionado pelo tempo que vai passar nestas ilhas, estas são as caches mais apetecíveis e onde é maior a probabilidade de sucesso e rentabilidade do tempo investido. Algumas caches podem ser noturnas, só acessíveis na escuridão na noite. Encontram-se normalmente em matas onde os geocachers têm de procurar referências, habitualmente refletores, que os guiarão até ao destino final.

Os recipientes (containers) podem ser classificados de acordo com o seu tamanho. Existem os Micro ou Nano, quando são pequenos e apenas contém o livro de registo (logbook) e são utilizados maioritariamente nos meios urbanos, onde são fáceis de esconder e passar despercebidos. Acima destes existem as Pequenas, com cerca de 200 ml de capacidade onde, para além do logbook, podem conter uma esferográfica ou lápis para fazer o registo bem como objetos para troca. Depois existem as Regulares, com cerca de 1000 ml de capacidade, e as Grandes que podem ter o tamanho de uma caixa de sapatos ou maiores ainda. Existe ainda a categoria Outro, em que não é referido o tamanho da cache, mantendo-se assim a incerteza daquilo que se vai encontrar, o que pode tornar a cache mais atrativa.

Quanto ao formato, existe uma diversidade inimaginável de containers, limitados apenas pela criatividade dos proprietários (owners). Contrapondo com os recipientes mais simples outros há extremamente elaborados, construídos com tal minúcia que evidenciam o tempo despendido pelos seus proprietários no seu fabrico. Esses containers “de eleição” de acordo com o tema da cache e enquadrados com o local onde estão alojados, são por vezes verdadeiras obras de arte e imaginação, o que contribui claramente para a magia desta atividade e o gosto de quem tem o privilégio de os encontrar.

 

Tipos de geocaches que existem nos Açores

Geocache Tradicional

Foi o primeiro tipo de cache que surgiu. Consiste num recipiente, de tamanho e forma variável, mas sempre suficientemente grande para guardar no interior um logbook onde o geocacher deverá inscrever o seu nickname e conter objetos para troca. As Caches Tradicionais têm como um dos principais objetivos dar a conhecer aos geocachers elementos do património natural, paisagem, arquitetura, história e outros.

 

Multi-Cache

É um tipo de cache em que é necessário encontrar previamente pontos que remetem para outros, antes do geocacher chegar à localização final. É utilizado essencialmente para fazer o geocacher seguir determinado percurso, que tanto podem ser trilhos pedestres como rotas turísticas que o leve a visitar monumentos, edifícios ou locais de importância histórica. Habitualmente o livro de registo encontra-se num recipiente colocado na localização final.

 

Geocaches Mistério ou Puzzle

Nas caches Mistério não são dadas as coordenadas do local onde se encontra a cache. Para a encontrar, o geocacher terá que resolver enigmas ou puzzles publicados na página da cache, alguns simples e outros mais complicados, de forma a determinar as coordenadas corretas, forçosamente a menos de três quilómetros dessa localização.

 

 Letterbox Híbrida

Neste formato de cache são publicadas na página as coordenadas do ponto inicial e usam-se essencialmente dicas e pistas para as etapas seguintes, embora também existam modalidades em que se usam coordenadas. Assim, é possível ao geocacher recorrendo a tarefas, mapas ou simples pistas determinar uma localização sem recurso ao GPS ou telemóvel, uma autêntica espécie de caça ao tesouro.

Este tipo de cache tem um carimbo no container final que é utilizado no livro de registo pessoal do geocacher.

 

Evento

Na página de uma Cache Evento estão as coordenadas de um local, data e hora onde irá ocorrer um determinado acontecimento, habitualmente um encontro de geoachers para discutir assuntos de interesse geral para essa comunidade. Este tipo de cache é promovida por um ou mais geocachers que pretendem o convívio e a partilha de experiências entre praticantes já com provas dadas e aqueles que agora se iniciam nesta atividade, quer sejam locais ou visitantes. A cache é arquivada após todos os participantes ter feito o seu registo e o evento terminado.

 

Evento Cache In Trash Out (CITO)

Este é um tipo de evento, de carater ambiental, onde um grupo de geocachers tem por finalidade encontrar-se em determinado local, seja para efetuar uma limpeza de lixo abandonado, combater espécies invasoras, promover a plantação de árvores, ou outro. Esses eventos ocorrem muitas vezes ao longo de trilhos, em locais recônditos.

 

Geocaches Wherigo™

É uma modalidade de cache mistério com múltiplos pontos. Descarrega-se um ficheiro denominado cartucho e, com recurso a um GPS compatível, o geocacher é levado a percorrer um determinado percurso interagindo com elementos físicos e virtuais, até encontrar o recipiente final.

 

 

 EarthCache

Devido à grande geodiversidade dos Açores este é um tipo de cache muito frequente entre nós, habitualmente colocado de forma a mostrar e dar a conhecer elementos de grande valor, em termos de património natural. Nesta modalidade o geocacher não vai encontrar nenhum logbook para assinar, mas terá de efetuar uma tarefa, habitualmente responder a algumas questões que tem a ver com o local onde está a cache.

 

Geocache Virtual

Existem ainda as caches Virtuais que não sendo já autorizadas ainda permanecem na região. O objetivo não é descobrir um recipiente mas uma localização. Como tal, o registo de uma Geocache Virtual pode ser feito pedido através da responda a uma pergunta que é feita, com uma fotografia, completando uma tarefa, ou outro. Os locais a visitar são habitualmente interessantes, garantindo a visita dos geocachers.

 

Equipamento necessário e recomendações

O equipamento de cada geocacher é uma opção tomada de forma livre e pessoal, embora alguns equipamentos possam não dar a resposta necessária, em determinados cenários. Procurar uma cache em meio urbano não é o mesmo que procurá-la no interior das ilhas, onde o sinal é mais fraco e as zonas escuras mais frequentes.

Um geocacher não sabe o que vai encontrar, pelo que deve estar minimamente preparado para as diversas situações que possam ocorrer, ou poderá não ser capaz de concluir a sua missão. Existe um determinado número de equipamentos e acessórios que o geocacher deverá ter à sua disposição: GPS ou smarthphone | Esferográfica ou Lápis |Bússola, para locais de densa vegetação onde possa existir dificuldade em apanhar sinal GPS | Mapa | Lanterna | Kit de primeiros socorros | Pinça | Vestuário e calçado adequado ao tipo de terreno a percorrer | Água | Mantimentos.

Por questões de segurança, em locais mais remotos, isolado e onde o terreno possa apresentar maior grau de dificuldade, o geocacher deve levar outra pessoa consigo e informar outros da zona para onde vai.

 

A título de curiosidade, refira-se que a cache ativa mais antiga em Portugal está na Ilha Terceira, na cidade da Praia da Vitória. Tem o nome de Translant Chess Cache, e foi colocada pelo geocacher Finser a 15 de maio de 2001 e só foi encontrada pela primeira vez praticamente dois anos depois, no dia 8 de janeiro de 2003.

 

Secção de Geocaching:

E.mail: geo.montanheiros@montanheiros.com  

 


Facebook

Notícias

São Jorge NÚCLEO DE S. JORGE ASSOCIA-SE A CAMINHADA SOLIDÁRIA Terça, 10 de Outubro de 2017

No próximo dia 15 de outubro o Núcle

Mais Notícias