Não existindo no arquipélago qualquer outra organização que se dedicasse, como actividade principal, às explorações espeleológicas, após o seu aparecimento em 1963, “Os Montanheiros” entregaram-se a desvendar os segredos deixados pelas erupções vulcânicas saídas das profundezas da terra e pelas escoadas lávicas.

Teriam por objectivo promover o conhecimento e divulgação dos motivos naturais de reconhecido interesse científico e paisagístico das nossas ilhas. No seu ideário de trabalho estava programado: (1) a realização de diversos trabalhos de campo, levantamentos topográficos, fotográficos e cinematográficos de explorações espeleológicas, (2) fundar um museu, (3) promover excursões de carácter científico, turístico, cultural, desportivo e paisagístico a todo o arquipélago, (4) conferências e exposições, (5) documentar e registar eventos ou elementos de carácter geográfico, orográfico e geológicos importantes.

Um início em Força

Denotando grande dinâmica inicial, durante o ano de 1964 o mesmo grupo já havia explorado detalhadamente 17 grutas e 3 algares, todos na ilha Terceira, extraindo por vezes fragmentos rochosos e outras substâncias minerais, com o objectivo de fazer exposições e de iniciarem um espaço museológico.
Também desde cedo realizaram Os Montanheiros trabalho fora da ilha Terceira, organizando expedições para as outras ilhas. Avançaram para a ilha Graciosa onde fizeram vários estudos na Furna do Enxofre assim como na Caldeirinha do Pêro Botelho, onde desceram.. Na ilha de S. Jorge, nas Bocas de Santo Amaro, também fizeram estudos, à profundidade de 140 metros. Em 1966, foram iniciados outros estudos, desta feita nalgumas grutas da ilha do Pico. Seguiram-se outras ilhas. Dado o interesse de algumas dessas grutas, procedia-se à topografia, fotografia e filmagem das mesmas.

Os Montanheiros mostravam uma vocação inata e arrojada para a espeleologia, descobrindo verdadeiras belezas subterrâneas e contribuindo valiosamente para o estudo e reconhecimento do subsolo. De então para cá, têm desenvolvido uma actividade marcante valorizando o património no subsolo, quer pela prática da espeleologia, quer dotando as melhores dessas estruturas de condições capazes de receber todos aqueles que pretenderem apreciar maravilhas como o Algar do carvão.

As actividades do grupo estendiam-se ainda a outros campos, nomeadamente com a realização de excursões com grupos de pessoas interessadas, às paisagens naturais do interior da ilha.

Em 1964, foi organizada a primeira exposição, com êxito, que foi ilustrada com um interessante documentário cinematográfico do trabalho que foi feito. Iniciou-se na sede da associação uma exposição do material recolhido nas diversas explorações e de fotografias dos trabalhos levados a cabo durante o seu primeiro ano de existência, que foi felizmente um êxito dado o interesse dos numerosos visitantes que ocorreram à mesma. Ao arrojo da sua equipa fotográfica deve-se uma série muito importante de valiosos documentos. Estas exposições foram as precursoras daquelas que a associação ainda mantém de forma permanente.
Em 1965 mudam a Sede para o n.º 108 – 2º, da Rua de São João. As instalações modestas não faziam arrefecer a chama da continuidade. Para quem lá fosse era já possível observar um pequeno espaço museológico constituído por diversas amostras geológicas, mapas a guarnecer as paredes das salas, uma secção de cinema e também de fotografia documentando os valiosos trabalhos levados a cabo, equipamentos diversos: capacetes, lanternas eléctricas de mão, espias, cordame, picaretas, baterias, cadeira, telefones portáteis, bornais e cantis, cântaros fotográficos, etc.

Estava aqui a aplicação do conhecimento aprendido e das realidades observadas no campo. Este quadro era completado com a promoção de ciclos de conferências e de palestras, animados de projecções, especialmente, subordinadas à espeleologia e à vulcanologia. Esses convívios ocorriam em diferentes pontos da ilha, geralmente nos salões das filarmónicas, e sempre com grande afluência de pessoas.

Desde as actividades instituídas estatutariamente àquelas que por acréscimo se foram juntando, no decorrer da vida activa desta associação muito foi feito. Com preocupações e solicitações diferentes, ao longo dos tempos, também muitas das actividades desta associação foram sendo progressivamente alteradas, embora nunca aquelas que se prendiam com a razão de ser principal desta associação: a espeleologia.



40 Anos de Actividades


Ao longo dos seus mais de 40 anos de existência que os Montanheiros tem desenvolvido inúmeras actividades e participado em acções diversas, ligadas aos objectivos para o qual foi criada, e em resposta a solicitações da sociedade civil. Podemos enquadra-las nos seguintes tópicos:

- Reconhecimento de cavidades vulcânicas e inventário do património espeleológico dos Açores, com mais de 30 expedições científicas a outras ilhas;

- Exploração de mais de 250 grutas e algares, com topografia, fotografia e filmagem de várias destas;

- Colaboração e apoio a grupos de cientistas nacionais e estrangeiros e outros interessados na área da espeleologia, que pretendem estudar os Açores;

- Apoio a estudos de bioespeleologia – Entomofauna cavernícola;

- Abertura ao público, na sua sede, do único museu vulcanoespeleológico do país;

- Exposições permanentes na sua sede, sobre vulcanologia, património florístico, geologia geral, taxidermia, xiloteca, pedologia, geomorfologia das ilhas e do mar com recurso a maquetas, e exposição fotográfica permanente sobre os Açores;

- Abertura ao público do Monumento Natural Regional Algar do Carvão, a mais preciosa cavidade vulcânica da Região, pertença desta associação; abertura ao público da “Gruta do Natal”, um tubo de lava muito conhecido pelos eventos sociais que lá se realizam; gestão turística da Gruta das Torres, um projecto pertencente à Secretaria Regional do Ambiente e do Mar;

- Exposição móvel “Conhecer para preservar”, em painéis de fotografias muito variadas, que percorrem diversos espaços públicos nesta ilha a fim de dar a conhecer e sensibilizar as pessoas na protecção dos nossos mais importantes valores naturais;

- Acções de formação e exercícios de demonstração para aprendizagem da espeleologia a grupos escolares e outros grupos sociais;

- Apoio a escolas em trabalhos vários, com recepção de turmas para visitas guiadas;

- Programa anual de caminhadas, aberto ao público em geral;

- Demonstração, formação e apoio a actividades regulares na área da escalada;

- Organização de outras actividades de ar livre e de educação ambiental;

- Actividades de busca e salvamento;

- Missões de Utilidade Pública;

- Intercâmbios com outras associações para troca de experiências e conhecimento;

- Colaborações com diversas entidades oficiais na organização de eventos;

- Participação em congressos e simpósios nacionais e internacionais;

- Organização de encontros com especialistas e interessados nas sua áreas de actuação;

- Parceiro social do Governo Regional, com assento em diversos conselhos regionais e comissões de acompanhamento.

 

 

Facebook

Notícias

Terceira MUSGOS, LEIVAS E PEDRAS ROUBADAS JUNTO AO ALGAR DO CARVÃO Terça, 11 de Dezembro de 2018

Com a aproximação da época na

Mais Notícias