Associação "Os Montanheiros"

Museu Vulcanoespeleológico

Desde o início da sua atividade que os Montanheiros mostraram uma forte ligação às questões que se prendem com a geologia, assim como um apreço muito especial pelas singulares formações e estruturas naturais que as cavidades vulcânicas encerram.

Com as primeiras expedições espeleológicas surgiram também as primeiras amostras, trazidas à luz do dia para fins científicos e, obviamente, para suscitar a curiosidade das pessoas, aliciando-as a uma causa que então estava a dar os primeiros passos.
Uma após outras as amostras tornavam-se num conjunto digno que ser exposto.

O Museu

Infelizmente as condições económicas, pouco favoráveis, limitavam em muito as pretensões desta associação ainda jovem. No entanto, de forma muito rudimentar, em cima de simples prateleiras, avançou-se com uma exposição permanente que na época chamava já algumas pessoas mais curiosas. Estávamos em finais dos anos 60.

Com o tempo, mais expedições, mais trabalhos de campo foram sendo realizados tendo-se paulatinamente conseguido recolher um vasto espólio num espaço museológico sempre adaptado para o efeito, não fosse o facto da associação nos anos 70 ainda estar em sede alugada. De quando em vez organizavam-se aberturas à população interessada, de exposições em que o material era apresentado de uma forma mais cuidada.

Na década de 80, após a aquisição das ruínas do prédio que haveria de se tornar na primeira sede própria da associação, projetou-se a reconstrução com um espaço construído para este efeito. Abandonava-se a designação de “exposição” para substitui-la por “sala-museu”. Mas também aqui o avanço era parcial: à dignificação do espaço não correspondia a adequação do equipamento, como os expositores. A este novo espaço foi atribuído o nome de museu vulcanoespeleológico “Machado Fagundes”, numa invocação à memória de um sócio a quem os Montanheiros muito ficaram a dever.

Ao longo do tempo “Os Montanheiros” vieram a enriquecer esta sua sala-museu com diversas formações, características das cavidades vulcânicas dispersas pelo arquipélago, constituindo assim o rico espólio de amostras que possui e que permite ao visitante e entendido obter um maior conhecimento da geologia destas ilhas.

Tão valioso material, como o que aqui se pode encontrar, por si só já justificaria um importante investimento no seu acondicionamento e exposição. Cientes dessa importância foi-se, ao longo dos anos, melhorando o espaço museológico, e novas exposições foram montadas, para serem observadas por ocasião das comemorações dos aniversários da associação e sempre que o pedido dos interessados coincidisse com as possibilidades dos elementos da Direção em facultar a entrada.

Durante os anos 90, procederam-se a obras de ampliação da sala-museu, bem como a diversas beneficiações do espaço e estruturas de apoio, transformando esta no que agora pretensiosamente é chamado de museu vulcanoespeleológico.

Neste espaço, onde estão representados materiais e estruturas diversas resultantes na génese vulcânica destas ilhas, é possível encontrar também a representação 3D em maqueta de 6 das 9 ilhas dos Açores, uma xiloteca, uma coleção sobre barros da Terceira, fósseis, um extenso conjunto de fotografias sobre paisagens das ilhas e a representação das áreas protegidas nos Açores.
Atualmente é visitado por muitas centenas de curiosos e interessados, nomeadamente inúmeros grupos escolares. É agora um espaço de ação didática junto dos alunos que o visitam, e que ao mesmo tempo apoia no conhecimento todos os visitantes que acorrem a estas paragens.

Localização

O museu ocupa o rés do chão da sede social dos Montanheiros, na Rua da Rocha 8, na cidade de Angra do Heroísmo.

Aberturas

O museu encontra-se de momento encerrado por tempo indeterminado, devido à remodelação do espaço.