Notícias

"ESPELEO-TRIÂNGULO 2018", RELATÓRIO DA EXPEDIÇÃO

Sexta, 23 de Fevereiro de 2018

RELATÓRIO DA EXPEDIÇÃO ESPELEO-TRIÂNGULO 2018

Associação Os Montanheiros

 

Durante 11 dias a Associação Os Montanheiros realizou uma expedição espeleológica às ilhas de São Jorge, Pico e Faial, intitulada Espeleo-Triângulo 2018. Para esta expedição três elementos da ilha Terceira, juntaram-se a vários elementos dos núcleos de ilha da associação, assim como elementos dos parques naturais de ilha.

Logo no dia de chegada a São Jorge (30 de janeiro) fomos verificar o estado de conservação das Bocas do Fogo de Santo Amaro. No ano passado o nosso núcleo na ilha de São Jorge fez uma denúncia às autoridades competentes acerca do depósito ilegal de lixo e entulho nos arredores desta cavidade vulcânica, pelo que foi decidido ir verificar o seu interior. Notou-se logo na descida um cheiro muito intenso a animais em putrefação, e as piores expectativas foram confirmadas quando chegamos ao fundo. A quantidade de lixo e animais mortos no interior aumentou de forma significativa desde há 2 anos, aquando de uma descida efetuada pelos Montanheiros. É de lamentar que em pleno século XXI ainda aconteçam casos destes nas nossas ilhas. Esta é uma situação que felizmente está em fase de resolução pelas autoridades competentes, tendo já sido colocada uma vedação ao longo do caminho de acesso. Esperamos que se possa encontrar uma solução para os resíduos encontrados no interior.

No dia seguinte fomos fazer estudos espeleométricos nas Grutas dos Montinhos, que correspondem a seis tubos de lava, que aparentam ter sido apenas um, sendo que os arroteamentos dos terrenos provocaram o abatimento de porções da gruta. Estes tubos de lava estendem-se ao longo de várias centenas de metros.

No dia 1 de fevereiro tivemos uma das grandes supresas da nossa expedição, uma nova gruta em São Jorge com cerca de 100 metros de comprimento e com dimensões em termos de altura consideráveis. Esta nova cavidade vulcânica foi indicada pelo Sr. Serafim Brasil. Foi decidido dar o nome de Gruta do Alto da Cruz, devido ao nome do local. Aproveitando a proximidade fomos fazer o estudo espeleómétrico da Gruta dos Cerrados dos Algares, pequeno tubo de lava existente no meio de uma pastagem. Infelizmente a sua entrada encontra-se com muito lixo.  

No último dia completo em São Jorge fomos redescobrir a Gruta do Lomba do Gato. A última vez que os Montanheiros estiveram neste tubo de lava foi em 1988. Foi feito um estudo espeleométrico completo. Aproveitamos o tempo restante na ilha de São Jorge para ver o trabalho de desobstrução da entrada da Gruta da Ribeira do Almeida, efetuado pelo nosso núcleo, durante os últimos meses, o que facilita imenso o seu acesso.

Dia 3 de Fevereiro seguimos para a ilha do Pico. Devido ao adiantado da hora que chegamos a esta ilha foi decidido fazer uma pausa para descanso para no dia a seguir começarmos pela topografia da Gruta das Ginjas. Esta é sem dúvida uma das maiores grutas dos Açores, com formações extremamente interessantes que variam desde balcões de lava, a estalactites lávicas, estafilitos de grandes dimensões, pavimentos de lava aa, diversas comunidades microbianas nas paredes, etc… Devido à extensão da gruta e o trabalho que é sempre moroso não ficou concluído nesse dia.

De realçar o excelente trabalho que tem sido efetuado pelo Parque Natural da Ilha do Pico na salvaguarda das entradas de diversas grutas e algares, com a construção de pequenos muros de proteção, com a colaboração dos proprietários Sem dúvida uma boa solução para a proteção de entradas de grutas, especialmente quando se encontram em pastagens.

Dia 5 de fevereiro fomos explorar uma nova gruta descoberta por elementos do nosso núcleo da ilha Do Pico. Localizada na Baixa da Ribeirinha medimos cerca de 420 metros, sendo a sua progressão bastante complicada devido aos pavimentos em lava aa e pouca altura. Na tarde do mesmo dia fomos a São Roque ver um pequeno tubo de lava na costa que pensamos ser a continuação da Furna do Henrique Maciel. Infelizmente encontra-se obstruída. Já no início da Transversal fizemos trabalhos espeleométricos na Gruta da Transversal, um pequeno tubo de lava já conhecido dos Montanheiros e pelos locais.

Dia 6 de fevereiro voltamos à Gruta das Ginjas para acabar os trabalhos espeleométricos do troço principal desta gruta. Chegamos a um ponto onde a passagem se tornou impossível deviado à altura muito reduzida. Pensamos que

Aproveitando ainda algum tempo livre, fomos à Gruta Surpresa próxima da gruta anterior Embora de pequenas dimensões possui estruturas de grande beleza, lavas de diferentes cores, lagos de lava, sumidouros, etc…

Dia 7 de fevereiro foi o dia de nos deslocarmos ao Faial. Contamos com o apoio do Parque Natural da ilha do Faial, cujo um dos elementos nos indicou a entrada de uma nova gruta a que foi dado o nome de Gruta do Pau Branco, devido à presença de um grande exemplar desta árvore no exterior da cavidade vulcânica. Foi feito um estudo espeleométrico completo, tendo esta gruta umas dezenas de metros de comprimento.

Da parte da tarde fizemos o estudo espeleométrico da gruta descoberta o ano passado no norte pequeno. Sendo esta a primeira gruta descoberta pelos Montanheiros naquele lugar, decidimos dar o nome de Gruta do Norte Pequeno. Esta é o maior tubo lávico da ilha do Faial já inventariado com mais de 70 metros de comprimento medido.

No último dia da expedição, e já de volta à ilha do Pico, exploramos uma pequena furna na freguesia da Candelária a qual demos o nome de Furna do António Homem. Embora de dimensões muito reduzidas tem como particularidade ter dois tubos sobrepostos e intrusões de lavas, provavelmente de erupções posteriores à que deram origem a esta cavidade.

Aproveitando ser este o último dia os Montanheiros foram visitar uma das joias da espeleologia açoriana, a Furna do Salazar, na freguesia de Santa Luzia. Esta gruta apresenta balcões de grandes dimensões, estafilitos de grande altura, pavimentos de lava aa, lava dendrítica, e muitos outros pormenores extremamente interessantes. Com o resto do tempo disponível da tarde foi decidido ir visitar o Algar da Foice e mais uma porção do Algar das Ginjas que não foi medida ainda este ano.

Como em anos anteriores, a Espeleo-Triângulo 2018 foi um sucesso a vários níveis, tendo sido visitados um algar e quinze grutas. Foram descobertas e exploradas novas cavidades vulcânicas em todas as ilhas visitadas. Contámos sempre com o apoio dos nossos núcleos na ilha de São Jorge e Pico que têm desenvolvido um grande conjunto de atividades e que estão a demonstrar um dinamismo crescente. Sabemos que ainda muito tem que ser feito no campo da espeleologia açoriana, em termos de exploração e inventariação de novas cavidades vulcânicas, assim como na sensibilização para a importância da conservação das grutas dos Açores.

Facebook

Notícias

Terceira ATLETAS DO CDM LUTAM PARA ALCANÇAR O PÓDIO EM TORRES VEDRAS Sexta, 15 de Junho de 2018

O ATV - Académico de Torres Vedras e a FPME

Mais Notícias