Notícias

MUSGOS, LEIVAS E PEDRAS ROUBADAS JUNTO AO ALGAR DO CARVÃO

Terça, 11 de Dezembro de 2018

Com a aproximação da época natalícia, começam mais uma vez, os vandalismos nas zonas protegidas no interior da ilha Terceira e o Algar do Carvão não foi exceção.

No passado dia 8 de dezembro, os funcionários e elementos da Direção dos Montanheiros, ao chegarem ao Algar do Carvão depararam-se com um triste cenário. Na zona circundante ao acesso da casa do Centro de Visitantes havia grandes buracos nas camadas espessas de esfagno e para além disso, foram retiradas pedras das paredes da própria casa. A Associação Os Montanheiros denunciou esta situação aos órgãos de comunicação social e o Sr. José Maria Botelho, também o fez na rede social Facebook desabafando: “Há milhões de pedras e milhões de toneladas de mofedo (esfagno) a ilha Terceira para enfeitar presépios. É preciso tirar pedras da parede da casa de receção? É preciso destruir as turfeiras que embelezam a entrada para o Algar? Que falta de respeito pelo trabalho dos outros…que falta de respeito pelo nosso ambiente.”

Na nota enviada ao Diário Insular, os Montanheiros sublinharam que para além de ser uma prática ilícita o roubo de musgos e pedras junto ao Algar do Carvão, classificado como Monumento Natural, provocou um forte impacto visual e ecológico. A situação não é nova nem exclusiva desta área protegida, uma vez que são já visíveis noutros locais da ilha sinais da mesma prática, com os problemas que daí advém. Neste fim-de-semana foram muitas as pessoas que atravessaram o caminho da Terra Brava apanhando ramos de árvores endémicas, como cedro-do-mato e azevinho, certamente para enfeitar o presépio. Nem sempre os vigilantes da natureza do Parque Natural da ilha Terceira conseguem estar presentes para sensibilizar as pessoas para não cometerem tais atentados, por isso os Montanheiros reforçam o pedido para que a população não entre nas áreas protegidas da ilha com o intuito de levar o quer que seja, a não ser bonitas foto e boas recordações.

 

Questionada pelo Diário Insular, fonte oficial da Direção Regional do Ambiente disse ter recebido a referida participação relativa à remoção de leivas na zona do Algar do Carvão e que uma equipa de vigilantes da natureza foram ao local, não tendo sido identificado até ao momento nenhum infrator. A mesma ainda acrescenta que nesta altura do ano, a fiscalização por parte do vigilantes da natureza é intensificada, existindo inclusivamente, equipas de serviço durante o fim-de-semana. Qualquer cidadão que detete uma infração poderá participá-la, a qualquer hora do dia, através da linha SOS Ambiente ou através do portal "Na minha ilha".

 

 

Facebook

Notícias

Terceira SPEA ORGANIZA O XIV CENSO DO MILHAFRE 2019 Terça, 19 de Março de 2019

O Censo de Milhafres é

Mais Notícias