Quem somos Época desportiva escalada pedestrianismo geocaching Percursos Classificados Lista dos Percursos

PEDESTRIANISMO

Muito se tem falado no potencial que as ilhas dos Açores tem para oferecer ao denominado “turismo de natureza”. Entre algumas das actividades a promover está o Pedestrianismo.
Para aqueles que não estão familiarizados com a palavra o que vem então a ser essa coisa de “pedestrianismo”?

[ Pedestrianismo é uma actividade ao alcance de todos e ao ritmo de cada um. A sua definição engloba não só o “percorrer grandes distâncias a pé”, mas também o acto de andar a pé pelo prazer do exercício físico.]
[ Pedestrianismo – O desporto dos que andam a pé! É um desporto não competitivo nem agressivo, praticado ao ar livre por praticamente todas as pessoas, sozinhos ou em grupo. Não requer equipamento sofisticado, nem conhecimentos técnicos. Funciona como escape ao sedentarismo e alívio do stress acumulado. ]

A estas definições e conceitos, extraídos da revista “Passo-a-Passo Percursos Pedestres de Portugal” da Federação de Campismo e Montanhismo de Portugal, que encaram o pedestrianismo como modalidade desportiva, que também é, importa-nos mais salientar as outras questões ligadas à prática desta actividade.
E em que é que essa actividade interessa a nós e a quem nos acompanha?

  1. Permite o conhecimento e a sensibilização para o património ambiental e cultural de uma região;
  2. Como actividade turística actua na promoção do património de uma região além fronteiras;
  3. Permite o convívio e a confraternização entre os praticantes;
  4. Fomenta o intercâmbio cultural;
  5. Promoção e dinamização do meio rural e das actividades, artes e ofícios tradicionais;
  6. Dinamiza as actividades económicas, nomeadamente as ligadas à restauração e hotelaria;
  7. Pretexto para a conservação de caminhos, construções e lugares de interesse histórico e social.

De que forma se faz pedestrianismo … é outra das questões a esclarecer. Para nós esta actividade pode ser realizada em diferentes moldes:

  1. Por caminhos previamente sinalizados com marcas e códigos internacionalmente reconhecidos e aceites;
  2. Em marchas guiadas;
  3. Em orientação;
  4. “À descoberta”, recolhendo informações sobre o percurso à medida que se progride.

No entanto apenas na primeira situação o percurso executado poderá ser admitido como “Percurso Pedestre”.

Os passeios dos Montanheiros

Os Montanheiros organizam, desde há muitos anos, caminhadas em natureza, abertas a todos os interessados, contando por isso com um profunda experiência na organização destes eventos, nomeadamente através do estabelecimento dos melhores percursos, da orientação de grupos e da transmissão de conhecimentos.
É bem verdade que Os Montanheiros sempre apostaram no homem/turismo/natureza como composição a desenvolver nestas ilhas. Afinal preparar grutas para serem visitadas pela população local e visitantes, e promover passeios guiados a locais onde a natureza ainda impera, foram actividades por nós desenvolvidas desde a década de 70.

No entanto remonta ao início dos anos 80 as primeiras caminhadas abertas ao público em geral feitas pelos Montanheiros. Por exemplo, em 1981 foram realizadas 5 caminhadas abertas a quem quis participar, actividade que se foi repetindo nos anos seguintes. Mas apenas em 1988, numa cooperação da Direcção Regional dos Assuntos Culturais com os Montanheiros, foram enquadrados estes passeios num programa de caminhadas anual, com direito a título: “Naturalmente Natureza 88”, em que uma calendarização anual prévia e propaganda adequada, conferiam um aspecto mais profissional aos mesmos. Foi então a partir de 1988 que os Montanheiros deixaram de fazer passeios para começar a organizar passeios.

Quem faz os nossos percursos? Considerando que a Terceira é uma das ilhas dos Açores com maior área de paisagens naturais, bem conservadas e com elevado valor em termos de património natural, não admira pois o interesse em participar, por parte de muitas pessoas para quem estas actividades são a oportunidade de voltar a estar em contacto com a Natureza. Pessoas que vão à descoberta da ilha, de conhecer os locais e aprender mais acerca da geologia, fauna e flora naturais, bem como do uso social a que muitas foram sujeitas. Outras fazem-no pelo convívio, ou por acompanharem alguém. Existem ainda aqueles que participam pelo exercício físico e que à partida mostram-se predispostas a enfrentar riscos, mau tempo, cansaço físico, apenas pelo prazer de o fazer, pelo conhecimento de si mesmo e para empurrar as suas limitações mais adiante. E também há aqueles que tudo querem experimentar… pelo menos uma vez na vida.

Começamos sempre por dizer aos eventuais participantes que as nossas caminhadas não respeitam muitas das condições que se exigem na definição de Percursos Pedestres. Ou seja, assumimos que as nossas “expedições”, como por vezes lhes chamamos, se encontram num patamar acima, em termos de dificuldade de progressão, em termos de inter-ajuda dos participantes, em termos de cuidado, atenção e orientação. Por isso mesmo desaconselhamos a que os façam sem o nosso acompanhamento.
Esses passeios/aventura fundamentam-se naquilo que habitualmente afirmamos: “Ninguém precisa dos Montanheiros para ir conhecer a Rua da Sé”, ou seja, estes passeios são oportunidades, complementares, aos Percursos Pedestres sinalizados na ilha, para se visitar locais que de outra maneira estariam inacessíveis ou ocultos dos possíveis interessados.
Um passo cadenciado é um dos segredos para facilmente se dar longos passeios, o que é indiscutivelmente mais fácil em condições de regularidade do terreno e de ausência de obstáculos no trajecto. Connosco isto não é possível, para além de que, muitas das lembranças ficam exactamente no conquistar essas pequenas batalhas. Esta é a filosofia que temos empregue até aqui.

“Ande, caminhe, andar faz bem ao coração”

O facto de andarmos faz com que os músculos das pernas (gémeos) façam compressão nas veias e activem assim a circulação de retorno ao coração. É uma segunda “bomba” sanguínea a seguir ao coração. A Falta de marcha e o facto de se estar de pé, parado, demasiado tempo vai ter inevitáveis consequências na rede venosa, donde resultam as tão inestéticas e perturbadoras varizes. Estudos norte-americanos e russos demonstraram que doenças cardiovasculares, infecciosas e até o cancro revelam-se em número muito menor nas pessoas que faziam marcha activamente ou outras actividades desportivas, ao contrário das restantes.
A marcha é portanto uma actividade tonificante do ponto de vista molecular, actuando na prevenção de doenças. A mecânica respiratória é acentuada e as células mais intensamente oxigenadas, correndo o sangue mais célere que o habitual.

Calendários Anuais de Passeios Pedestres

No início de cada ano, à semelhança do que tem acontecido até aqui, no âmbito do seu Plano de Actividades anual, os Montanheiros organizam um calendário anual de caminhadas abertas ao público em geral, com vista à dinamização do pedestrianismo nesta ilha, actividade recreativa reconhecida como capaz de valorizar os nossos importantes recursos naturais e turísticos.

O que de comum tem estes passeios

Ao conjunto de caminhadas de cada ano é atribuído uma designação específica; acontecem sempre aos Domingos; em média realizam-se 7 caminhadas anuais; são previamente anunciados na comunicação social e por vezes em publicações produzidas para o efeito; os Montanheiros garantem sempre a presença de pelo menos 2 guias em cada passeio; o último passeio envolve habitualmente um convívio entre os participantes.

Código de Ética e de Conduta do Pedestrianista

“Na montanha não tires mais que fotografias nem deixes mais do que pegadas”
Este é um dos lemas mais divulgados entre os pedestrianistas, sobre a forma de conduta em natureza. Mas outros cuidados tem de ser respeitados e algumas formas de comportamento devem ser sugeridas.
Assim, é apresentado este código de ética e de conduta, condensado pelos Montanheiros a partir das sugestões de muitas outras pessoas, que na região tem interesse ou responsabilidades nesta matéria. Não nos admiramos pois que, no futuro, o alerta para algum cuidado mais, tenha de ser feito.

  1. Se possível, nunca caminhe sozinho. Acidentes acontecem e o primeiro socorro é de quem estiver connosco;
  2. Antes de iniciar a caminhada, informe alguém do percurso que irá fazer e quando pretende começar;
  3. Certifique-se de que possui o equipamento adequado e os mantimentos necessários;
  4. Evite sair do trilho identificado, não utilize atalhos;
  5. Respeite a sinalização existente;
  6. Quando fizer marchas guiadas, nunca ultrapasse o guia. Ouça o que ele tem para dizer;
  7. Não pratique actos que coloquem em risco a sua segurança e a de outros pedestrianistas;
  8. Esteja sempre disponível para dar o alerta ou socorrer outro pedestrianista em dificuldades;
  9. Mantenha uma marcha organizada, evitando perturbar o meio que o rodeia. Não oculte os sons da natureza com gritos ou outros ruídos;
  10. Ao longo do percurso não acampe nem acenda fogueiras;
  11. Não abandone lixo. Transporte-o até o local de recolha mais próximo;
  12. Não perturbe a vida animal, nem recolha ou destrua plantas ou formações geológicas;
  13. Respeite a propriedade privada. Deixe-a devidamente vedada tal como a encontrou;
  14. Contacte com a população local que encontrar, conheça a sua cultura e a sua história.

Estatísticas dos últimos passeios

Está a ser feita uma pesquisa a fim de se fazer um historial das caminhadas dos Montanheiros, que inclua dados suficientes para permitir algumas análises e produzir conclusões. Logo que possível será incluído esse registo, neste local, para consulta.

Noções e Critérios

Este documento faz parte de um conjunto de reflexões mas também de uma tomada de posição dos Montanheiros, quanto a esta questão. Deixa algumas considerações que podem ser orientadoras numa eventual estratégia a definir e a seguir por quem pretende assumir responsabilidades nesta matéria.

Instalação dos percursos

(1) ABERTURA DE NOVOS trilhos

A instalação de um novo percurso pedestre deve, em primeiro lugar, reflectir o interesse que os eventuais utilizadores possam ter em fazê-lo. O objectivo de quem instala é mostrar, e o de quem faz é observar. É por isso importante que o percurso tenha motivos de interesse. Nos Açores há um bom aproveitando do relevo, para demarcar percursos de maior interesse paisagístico. Exemplo disso são as “Cumeeiras” em que os pedestrianistas são levados a subir e percorrer o bordo de uma cratera usufruindo da vista distintas de um lado e de outro. Ou então “Subida aos Pico …” de onde se espera poder apreciar novamente as vistas.
Em segundo lugar há que ponderar e respeitar as restrições legais de acesso aos circuitos definidos. As proibições ou condicionantes impostas traduzem uma relação entre o património existente e eventuais danos que a visitação possa causar. A pertinência destas restrições é uma função de vários parâmetros: número de visitantes de cada vez, acompanhamento ou não de guia, utilização de trilhos já existentes nessas zonas, visitação apenas em determinadas épocas do ano….  Em consequência desta questão não preconizamos a imediata proibição de entrada nestas zonas mas a possibilidade de estudar o melhor circuito. É preferível a definição de um percurso numa destas zonas, devidamente marcado e mantido, por onde sabemos que todos os visitantes irão seguir, do que proibir a entrada, sendo quase certo que, em menor número mas de forma selvagem, irão os visitantes continuar a visitar estes espaços.
Ultrapassadas as questões anteriores, para idênticas circunstâncias de qualidade e havendo possibilidade para tal, deve o percurso ser delineado ainda em função de outros parâmetros:
Marcar o percurso em função do público alvo tendo em conta o grau de dificuldade ou de risco, como por exemplo num percurso para idosos onde se atenta a um piso mais regular e com poucos declives;
Acessos secundários ao percurso, que funcionem com potenciais “escapatórias” em caso de necessidade;
Cobertura de rede de telemóvel, para comunicações de emergência;
Optar por trajectos em que a orientação seja feita de forma “natural”, por exemplo aproveitando um atalho antigo, ou depressões no terreno onde a instalação e a progressão são mais fáceis, e onde é possível o abrigo do vento ou da chuva;
Optar por percursos onde a manutenção futura seja menos necessária, por exemplo escolhendo passar debaixo de vegetação mais alta que venha a formar galeria;
Afastar-se de zonas mais sensíveis, de maior valor patrimonial, em que a passagem de pessoas ou a manutenção, trazem consequências mais preocupantes;
Equacionar e aconselhar um sítio onde o caminhante poderá almoçar pode reflectir-se no delineamento do percurso a marcar.

Os Percursos Pedestres podem ser percorridos em ambos os sentidos. No entanto, são várias as razões e bastantes os casos em que um percurso deverá ser executado preferencialmente num sentido. Entre as razões estão questões que se prendem com: o grau de dificuldade, a paisagem observada, as acessibilidades e recursos turísticos complementares ao percurso.

(2) Selecção de trilhos
Porque há que recuperar o tempo perdido e garantir que não serão à partida assumidos demasiados percursos sob o risco de deixar muita coisa a meio e muito poucas terminadas tem de haver um trabalho inicial de selecção de percursos, a que de futuro poderão ser adicionados outros. Esta selecção deverá ter em atenção critérios como:
Representatividade regional – Ter em conta a oferta (em ilhas maiores …  mais recursos naturais … mais trilhos) mas acima de tudo a procura (porque a primeira nem sempre é verdade e porque este é um recurso turístico complementar a outros que poderão ser mais significativos nas ilhas maiores). Pedestrianismo é desenvolvimento.
Qualidade dos percursos – Menos mas melhores é sempre uma opção a considerar. Garantir diversidade temática (biologia, geologia, cultura, paisagem). Excluir percursos com demasiada má influência humana, com pisos em asfalto, cheiros de pocilgas, vistas sobre lixeiras, etc. Dimensão do percurso e grau de dificuldade são outros parâmetros da qualidade do percurso a serem ponderados.
Segurança dos pedestrianistas – Excluir percursos onde a perigosidade envolvida não possa ser ultrapassada por acções de beneficiação. Atentar a questões de pormenor, como preferir percursos com zonas de rede de telemóvel (comunicações de urgência), e que cruze ou ladeie caminhos (zonas de evacuação rápida).
Cooperação com outras entidades – Optar por seleccionar um percurso onde exista uma intenção clara por parte de outra entidade em garantir a sua viabilidade e promoção, poderá ser um bom garante de sucesso.

(3) Recolha de informação pormenorizada sobre o percurso
Como trabalho preparatório para a futura limpeza e marcação dos percursos, bem como para outro material de apoio como sejam os roteiros, há necessidade de proceder à recolha de informação pormenorizada sobre cada percurso. Esta passa por parâmetros como:
Delineamento do percurso – É fundamental conhecer exactamente por onde passa o trilho, nomeadamente para a sua sobreposição à cartografia a utilizar. Muitos pedestrianistas orientam-se preferencialmente pelas cartas. Recurso a marcação por GPS.
Acções de preparação do percurso – como sejam preparação do piso em alguns sítios, colocação de escadas, varandins e pontes. Preparação de locais para miradouro com colocação de papeleiras e outro mobiliário urbano.
Outros elementos a recolher – Avaliar no terreno os parâmetros de (1) duração total do percurso (ou entre estações – pontos de paragem) e o (2) grau de dificuldade (tendo em conta o tipo de piso e os declives, bem como as diferenças altimétricas)
Levantamento do património observável – Estudo da fauna e flora envolvente, dos elementos geológicos existentes e de outros elementos importantes na valorização do percurso.

(4) Sinalização e adequação do trilho a percurso pedestre
Após as fases anteriores avança-se com os trabalhos de adaptação do trilho a percurso pedestre (inclusive com a colocação da sinalização adequada) às condições exigidas, bem como com as acções de beneficiação que se pretendam fazer, nomeadamente a inclusão de locais de miradouro (ou ponto de paragem).

(5) edição de material complementar
Elaborar folhetos para os pedestrianistas poderem usufruir de maior informação durante o percurso. Esses folhetos deverão visar 3 objectivos: Informar (não só sobre o património existente mas também sobre a progressão ao longo do percurso), Salvaguardar (boa conduta no decorrer do percurso), Promover (um folheto é algo que se leva, que se recorda e se mostra ao amigo)

(6) promoção dos percursos
Assumir os percursos como recursos turísticos e o pedestrianismo com actividade a incentivar na região. Promover os percursos dentro e fora da região. INFELIZMENTE MUITAS VEZES COMEÇA-SE POR AQUI….

Manutenção

(1) A manutenção do percurso tem que ser assegurada para todo o ano, no entanto isso poderá conseguir-se articulando as coisas de maneira a agir em 2 ou 3 alturas certas do ano, por exemplo na limpeza da vegetação poderá bastar limpar em Abril e em Agosto.
No entanto outros trabalhos, de melhoramento, não serão tão regulares, ou seja não se irão repetir todos os anos, como a construção de degraus, varandins, e outras adaptações, devendo ser executados logo que tal seja possível.
Por esse facto, pode ser facilitador que para cada ilha sejam encontradas as pessoas correctas e que estas sejam as mesmas para todos os trilhos, por uma questão de formação e de adaptação de soluções a problemas semelhantes que ocorrem em diferentes trilhos.

(2) Dos serviços de manutenção faz parte recuperar a sinalização degradada, no entanto, pelas especificações envolvidas neste trabalho, deverá ser a mesma equipa a proceder a esta manutenção (reparação da sinalização) em todos os trilhos.

Grupos organizados
Considerando os perigos inerentes a uma visitação desregrada, inadequada a sítios de maior sensibilidade onde é praticada, existem alguns cuidados que deveria ver atendidos, por parte das entidades competentes.
Isso leva-nos à velha questão de termos ou não Guias de Natureza, com formação adequada, a poder conduzir esses grupos … nesses sítios. No nosso entender justificava-se que as entidades governamentais com competências na área do Turismo e do Ambiente, eventualmente apoiadas por entidades não governamentais e empresas de animação turística, programassem um curso de formação para Guias de Natureza, repetido quantas vezes necessário.
A falta de Guias habilitados pode por em causa a segurança dos visitantes e a integridade dos habitats.

 

Ficha Técnica de um percurso turístico

Informações que deverão constar no material de divulgação (folhetos, painéis e outros):

Ponto de Partida e de Chegada;
Âmbito do percurso (cultural, ambiental, paisagístico ou desportivo);
Tipo de percurso (Pequena Rota / Grande Rota, Linear / Circular, por caminhos rurais / por veredas, etc);
Distância a percorrer;
Duração do Percurso;
Nível de Dificuldade;
Desníveis;
Cota mínima / Cota máxima;
Época aconselhável (todo o ano, Primavera/Verão);

Os Percursos Pedestres podem ser classificados de:

Grande Rota      –  Mais de 1 dia de marcha, com pernoita
Pequena Rota    –  Até um dia de jornada, não mais de 30 Km.