Estávamos nos inícios da década de 60, por muitos considerada a “de oiro” do século passado. Foi a época da revolução nos costumes e nas mentalidades. Por todo o mundo pairava o desejo de sair do marasmo e da rotina, de lançar as bases para a criação de uma via melhor, mais fraterna e social.

Embora isolados em pleno Atlântico, os Açores não fugiram à saga reorganizadora de que iam travando conhecimento, sobretudo através da Rádio, meio de comunicação por excelência de então. Cada grupo, em cada atividade, procurava dar o mote na medida do permitido e das disponibilidades. Sentia-se a necessidade de descobrir, de conhecer, e de dar a conhecer, aspetos da vida até então ignorados ou caídos no esquecimento. A Ciência expandia-se. 

Foi assim que um grupo de jovens, possuídos de forte espírito aventureiro e de atração pelo desconhecido, se dispôs a abandonar os cómodos pisos da cidade de Angra, dedicando-se, aos fins de semana, a percorrer as zonas mais selvagens do interior da ilha Terceira, “à descoberta” daquilo que até então por eles era ignorado. 
Durante essas caminhadas, pela aventura e pelo convívio, e também para caçar alguns coelhos, eram levados ao encontro de cavidades naturais escondidas nas escoadas de lavas que ajudaram a formar esta ilha. Estavam perante um património natural “novo” do qual haviam muitas histórias fantasiosas, que entenderam por bem desvendar, penetrando fundo no subsolo desta ilha, abalançando-se às tais arriscadas descidas aos algares tão profusamente espalhados e perscrutando muitas centenas de metros de grutas. 
Todavia, os resultados práticos dessas aventuras não chegavam ao conhecimento público. Ficavam-se pela transmissão oral aos amigos e pessoas mais próximas. A explicação para que assim fosse residia na ausência de espírito de associação e de equipa; não eram mais do que aventuras isoladas, cujos fins visavam desfazer a crendice popular, dar provas de valentia e satisfazer curiosidades pessoais. Faltava a esses empreendimentos o carácter cultural, social e científico que deveriam possuir. 
Certo dia alguém mencionou a existência de um novo “buraco” que aparentava ser digno de uma visita. Mais uma caminhada e eis que somos levados a este novo algar, de proporções muito consideráveis, batizado de Algar do Carvão, (provavelmente por se encontrar no Pico do Carvão). Após aturada observação o grupo percebeu, que este novo desafio se mostrava fora do habitual, excecionalmente árduo e arriscado, como o foi para outros antes deles. 
Mas em agosto de 1963, Américo de Lemos Silveira Luiz, à frente de um grupo de jovens, organizou com êxito duas auspiciosas descidas ao Algar do Carvão, donde extraíram invulgares pedaços de rocha. Eram as primeiras verdadeiras explorações ao Algar do Carvão, rodeadas de grande aparato, dado a ocorrência de muita gente que se deslocou para assistir, e que resultaram muito auspiciosas.

Assim se começava a sensibilizar a população para a espeleologia, atividade completamente desconhecida nos Açores. Com o êxito destas descidas começava-se a desenvolver no espírito do maior entusiasta deste grupo, Américo Luiz, a ideia da criação de uma instituição que fomentasse os estudos da espeleologia, mas também fosse extensiva à cultura e à educação. 
A descida ao Algar do Carvão teve grande repercussão na imprensa, insular e nacional, criando-se em torno deste grupo de jovens uma atmosfera de simpatia e entusiasmo por parte de estudiosos, investigadores, técnicos de várias áreas e muitos curiosos, que prestaram preciosa e desinteressada colaboração. Foram alguns destes o Ten-Cor. José Agostinho, Dr. Victor Hugo Forjaz, Dr. Jaime Ferreira, Prof. Veiga Ferreira, Prof. Zbysewsky, Eng. Fernando Codorniz Fagundes, Técnicos de Engenharia Ulisses Simas Bettencourt e Álvaro Lopes Dias, Topógrafo António Pedro e o Desenhador Péricles Ortins. 
Só depois de praticadas, com pleno e retumbante êxito, as descidas ao Algar do Carvão, e perante a dinâmica que se gerava e a organização que se exigia, porventura a pensar nas ações futuras, houve necessidade de se assegurar a participação de quantos por ali andavam e de criar um movimento capaz de envolver e de credibilizar os projetos a que o futuro abria as portas. Interessava mostrar que tais motivos e belezas ocultas poderiam constituir bons e fortes atrativos se fossem postos ao alcance das populações interessadas, permitindo alguns deles não só a espeleologia como ciência mas assegurando ao turismo autênticos polos de atração humana. 
Nasceu então, no espírito desses corajosos rapazes que realizavam tais façanhas, a ideia de criar um movimento associativo devidamente organizado e com estatutos apropriados, que fomentassem os estudos da espeleologia, mas cuja ação fosse também extensiva à promoção do conhecimento, divulgação e proteção do património natural geológico e paisagístico. 
Estávamos no último domingo de novembro de 1963 quando se decidiu dar ao grupo carácter oficial com a designação de “Os Montanheiros” – Organização de Campismo Terceirense”.
Logo a seguir, a 1 de dezembro de 1963, se tomou posse da primeira sede, sita à Rua de São João, nº 127, em Angra, ficando esta data como a da constituição da Sociedade, e todos os anos comemorada. No “livro da Direção” dos Montanheiros lá está esta data como sendo a do começo das atividades, acompanhada dos nomes dos seus sócios fundadores: Américo Juiz, Luís Rafael Ávila Azevedo, João Pereira, Jorge Silva, José Lourenço Miranda, Ângelo Silveira Luiz. Depois, com o tempo, outras vontades se lhe juntaram, engrossando o caudal de entusiasmo e a capacidade de fazer.

Elaboraram-se os estatutos, para cuja feitura muito contribuiu o Tenente-coronel José Agostinho, um amigo, de saudosa memória, sempre disponível para ajudar. Porque a denominação do grupo incluía a palavra “campismo” os primeiros estatutos não foram aprovados pela entidade competente. Convictos da importância dos princípios inicialmente adotados, e da continuidade do grupo, resolveu-se suprimir “Organização de Campismo Terceirense” que foi substituído por “Sociedade Cultural Educativa”

Mais tarde ainda, com os interesses e atividades do grupo bem definidos houve necessidade de nova alteração da designação da associação, para “Os Montanheiros - Sociedade de Exploração Espeleológica”, tendo os novos estatutos sido aprovados e registados em 1967, e sendo a designação que ainda hoje mantém. 
Assim, nasceu a associação, de muitos conhecida por OS MONTANHEIROS.

Sócios Fundadores

Os Montanheiros nasceram da mobilização de um grupo de cidadãos interessados por uma causa e dispostos a contribuir com o tempo e os meios necessários para o seu sucesso. Perpetua-se aqui os nomes desses homens, cujos contributos se tornaram decisivos para o arranque da associação.

1 - Américo de Lemos Silveira Luís
2 - Luís Rafael Ávila Azevedo
3 - Rogério Tiago da Silva
4- Roberto Faria Lourenço
5 -Álvaro da Conceição Lopes Dias
6 - Manuel da Silva Bettencourt
7 - Guilherme Ilídio Ferreira Brasil
8 - Jorge Orlando Ferreira da Silva
9 - Fernando Henrique da Costa Ávila
10 - António Deodato Ferreira
11 - José Machado Fagundes
12 - Ulisses Simas Bettencourt
13 - José Manuel Borges
14 - Anatólio Ferreira Cardoso
15 - Diamantino Campos Paz
16 - Leonildo Paulo Soares Martins
17 - Manuel Aguiar da Silva
18 - Manuel Alves
19 - Manuel Teixeira de Sousa
20 - Paulo José Borges de Lima
21 - Eovaldo João Melo Moniz
22 - Guilherme Albano Ávila
23 - Oscildo Alcáçova Couto de Sousa
24 - Hermano Mendonça Fernandes
25 - Arnaldo Vieira Lopes
26 - Luís Carlos Serpa Gouveia
27 - Fernando Neto Cristóvam
28 - João Alves Regalo
29 - João Alberto de Melo Miranda
30 - Daniel António Cardoso

50 anos de História, ver aqui http://youtu.be/u9O-b2sNbpU.

 

Facebook

Notícias

Terceira VISITA DE TRABALHO DOS DEPUTADOS REGIONAIS DO PARTIDO SOCIALISTA PELA ILHA TERCEIRA AO ALGAR DO CARVÃO Sexta, 28 de Julho de 2017

No passado dia 27 de julho, o grupo de deputados d

Mais Notícias