Cronologia 1893-1969

1893-1969 1970-1979 1980-1989 1990-1999 2000-2009 2010-2019

1893

Janeiro 26 – Primeira descida ao Algar do Carvão de que se tem conhecimento, concretizada por Cândido Corvelo, da Terra-chã, dono daquelas pastagens, José Luís Sequeira e outros. O relato da descida foi publicado no periódico “Cartão de Visita” no dia 31 de Janeiro de 1893. Mais tarde o “Tio” Cândido mandou cortar o cedro onde os entusiastas amarravam a corda, por onde desciam e subiam, a fim de lhes esfriar os ânimos, segundo a palestra dada ao Rádio Clube de Angra pelo Ten. Cor. José Agostinho (http://siaram.azores.gov.pt/naturalistas/jose-agostinho/audio/1966-41.html). Só existem registos de novas descidas em Outubro de 1934 e depois no início dos anos 60, quando o Algar do Carvão foi finalmente completamente explorado e os seus segredos descobertos.

19--

dezembro 30 – Eovaldo Moniz (elemento dos montanheiros) e Carlos Paiva realizaram uma exposição de pintura na sede dos Montanheiros, na Rua de São João nº 108.

1934

outubro 7 – Descida do Sr. Guilherme Ramalho, chefe dos Escoteiros de Portugal, secção de Angra do Heroísmo ao Algar do Carvão. Foi pendurado numa corda com várias pessoas a segurar no exterior, o que tornou a subida extremamente difícil. Regressou com pedras que na altura pensava-se serem de natureza calcária que estiveram expostas na Loja dos Panos em Angra.

outubro 14 – Uma semana após a descida do Sr. Guilherme Ramalho, mais 5 pessoas deslocaram-se ao Algar do Carvão e fizeram a descida, de acordo com instruções que haviam recebido do mesmo. Pela primeira vez foi atingida a lagoa que ao que parece estava com bastante água. O relato da descida está no Jornal “A União” de 17 de Outubro de 1934.

1962

Agosto 27 – Segunda descida e Exploração do Algar do Carvão pelo Agrupamento CXI dos Escuteiros da Base Aérea 4. Desceram: Manuel Humberto Figueiredo, Vítor Hugo Fragueiro, Sargento Abel, Ilídio Gomes, Gualdino Ormonde, Eduardo Monteiro. Desceram até junto da Lagoa.

1963

Agosto 18 – primeira descida do Algar do Carvão pelos Montanheiros. Embora ainda não tivesse sido fundado o grupo, muitos dos elementos participantes nesta descida fundaram em Dezembro desse ano “Os Montanheiros” Deslocaram-se 37 pessoas ao Pico do Carvão, tendo descido 17. Recolheram-se amostras de rochas, tiraram-se fotografias e elaboraram-se croquis do interior da cavidade. No interior encontraram-se inúmeras ossadas de animais, especialmente cães e cabras. O Sr. Manuel Alves foi o único do grupo a descer à lagoa. Encheu um garrafão com água que infelizmente partiu-se na subida. O relato da descida foi publicado no jornal “O Irresponsável” de 31 de Agosto.

Dezembro 1 – A ideia de fundar os Montanheiros apareceu em 1963, durante uma visita à Mata da Esperança onde um grupo de amigos resolveu almoçar. O Américo Luiz lembrou-se de formar uma sociedade. Começou-se a pensar em comprar o material necessário para a exploração de grutas e algares e numa sede onde se pudessem reunir. No dia 1 de dezembro reuniram-se na nova sede na Rua de São João 127 (por cima da loja do Tomás Borba) e fundaram “Os Montanheiros – Organização de Campismo Terceirense”. Foram aprovados os estatutos, que, no entanto, só foram ratificados pelo Governo Civil em 1967, após várias correções.

1964

Março 15 – Os Montanheiros estabeleceram a ligação entre a Gruta do Madre Deus e o algar da Madre Deus, quando descobriram uma garrafa deixada por exploradores 24 anos antes. A passagem é de extrema dificuldade, mas permite que se possa percorrer a gruta sem ter que se fazer a descida vertical pelo algar.

Março 22 – Neste dia os Montanheiros desceram pela segunda vez ao Algar do Carvão. Ao contrário da descida de Agosto de 1963, não foi utilizado o sistema de cadeira, mas sim o sistema de calção, mais seguro e rápido.

Abril 9 – Neste dia os Montanheiros mandaram um ofício para o Diretor Geral dos Desportos e ao Ministro da educação Nacional a pedir a aprovação dos estatutos que, desde Dezembro de 1963 esperavam por aprovação. A mesma só veio a acontecer em 1967.

Junho 10 – Descida ao Algar do Carvão, e levantamento topográfico no exterior pelo topógrafo Garcia Pedro, orientado pelo Sr. Eng.º Fernando Codorniz Fagundes, e no interior por Ulisses Bettencourt agente técnico de Engenharia e o desenhador Péricles Ortins.

Agosto 8 – Exploração da Galeria da Queimada na lha Terceira.

Dezembro 1 – Neste dia comemorou-se o 1º aniversário dos Montanheiros na sede da Rua de São João. Durante o primeiro ano os Montanheiros realizaram 15 excursões, incluindo uma à ilha Graciosa, 21 expedições de estudo, 14 serões familiares, seis filmagens e 20 explorações de grutas. Para o aniversário foi montada uma exposição com fotos e amostras geológicas. Esta exposição durou 13 dias e foi visitada por mais de 1000 pessoas.

1965

Outubro 23 – Os Montanheiros agradecem ao Presidente da Junta Geral de Angra, o auxílio por seu intermédio concedido, através das Obras Públicas e Estação Agrária, para a obra de abertura do túnel de acesso ao Algar do Carvão.

1966

Maio 1 – Durante a escavação do túnel de acesso ao Algar do Carvão os Montanheiros deparam-se com uma camada de rocha bastante compacta (traquitos), tendo sido muito difícil rompê-la.

Julho 3 – Localizada pela primeira vez pelos Montanheiros uma das aberturas da Gruta dos Balcões, então conhecida por Furna Funda, após alerta da sua existência por uma pessoa dos Biscoitos neste mesmo ano. Entraram e percorreram cerca de 500 m.

Julho 5 – Segunda expedição à Gruta dos Balcões. Cinco pessoas saíram da gruta já depois da meia-noite após terem percorrido 2 000 m, sem chegarem ao fim. Atribuíram-lhe o nome de Galeria dos Balcões.

Agosto 15/17 – Durante 3 dias estiveram acampados na ilha do Pico 17 membros dos Montanheiros, entre eles o Américo Luiz, Arnaldo Melo e Eovaldo Moniz, tendo filmado vários aspetos da paisagem daquela ilha e da subida à montanha que efetuaram. Depois foram ao Faial tendo posteriormente regressado à Terceira.

Agosto 21/26 – Um grupo de filiados no Centro Especial de Espeleologia da Mocidade Portuguesa, formado pelos Afonso dos Santos, Artur Prazeres, Adelino Fonseca, Fernando Rocha e Carlos Henrique Blesk com o fim de conjuntamente com os Montanheiros visitarem as grutas da Terceira, visitou e fotografou o Algar do Carvão. Fez-se nesta altura também uma exploração conjunta à Gruta dos Balcões.

Setembro 25 – Palestra proferida pelo Ten. Cor. José Agostinho na sede dos Montanheiros, na altura na Rua de São João.

Tenente Coronel José Agostinho aquando da palestra na sede dos Montanheiros, 25 Set 1966 – Ilha Terceira

1967

Fevereiro 28 – Por alvará nº 12/67 de 28 de Fevereiro foram finalmente aprovados os estatutos da associação, com a denominação de “Montanheiros – Sociedade de Exploração Espeleológica”, pelo Sr. Governador Civil do Distrito Autónomo de Angra do Heroísmo, adquirindo os Montanheiros personalidade jurídica. Decorreram mais de 4 anos entre a redação e a aprovação dos mesmos.

Março 22 – Palestra proferida pelo Prof. Vítor Hugo Forjaz, na sede dos Montanheiros, em que foram apresentados e comentados vários diapositivos coloridos de recentes estudos oceanográficos no Atlântico e da atividade do vulcão dos Capelinhos.

Junho 9/11 – Decorreu entre os dias 9 e 11 de Junho a primeira expedição, com pernoita, à Gruta dos Balcões. Grupo constituído por: Américo Luís, Eovaldo Moniz, José Manuel, Manuel Aguiar da Silveira e Jorge Gonçalo. Estiveram 50 horas no interior. Entraram às 21:00 da Sexta-feira (dia 9) e comunicavam com o exterior de meia em meia hora. Saíram perto das 23:00 de Domingo (dia 11). Não conseguiram explorar a gruta toda.

Setembro 5 – Expedição de Américo Luiz, Rafael Azevedo e Paulo Alberto Martins à ilha do Pico, onde visitaram a Gruta do Henrique Maciel e Furna do Frei Matias.

1968

Fevereiro 7 – Iniciaram-se as obras de construção da estrada de acesso ao Algar do Carvão, numa iniciativa dos Montanheiros e com a colaboração, numa 1ª fase apenas da mão-de-obra dos associados e posteriormente do Ministério das Obras públicas e da colaboração do programa “People to People”, da Base Aérea Nº4 das Lajes.

Agosto 5 – Palestra na sede dos Montanheiros proferida pelo Prof. Georges Zbyszewsky, com o tema “Contribuição para a Geologia da ilha Terceira”.

Novembro 17 – Iniciou-se a construção da escadaria de madeira no interior do Algar do Carvão.

Dezembro 1 – Nas comemorações do 5º Aniversário, inaugurou-se a estrada com cerca de 800 m, o túnel com cerca de 50 m e a escada em madeira com 161 degraus dispostos em 7 lanços, provisória, construída para o efeito até à plataforma por cima da lagoa, colocou-se iluminação e convidou-se a população a visitar o Algar do Carvão, tendo 2 500 pessoas visitado. Estiveram presentes o Sr. Governador do Distrito e o Sr. Comandante da Força Aérea Americana (através do programa “People to People” secção de engenharia, na abertura da estrada) a quem foi publicamente agradecido as contribuições recebidas. Houve ainda o agradecimento público ao Sr. José da Câmara pela cedência do Algar e terreno da estrada aos Montanheiros.

1969

Setembro 22 – Iniciou-se a 2ª fase, construção dos muros de vedação do caminho de acesso ao Algar do Carvão. Para mais tarde estava prevista a pavimentação em betuminoso deste caminho.

Novembro 2 – Um grupo de 7 Montanheiros (Davide Rendeiro, Fernando Ávila, José Silva, José Gabriel, Manuel Aguiar, Manuel Corvelo e Rogério Silva), deslocou-se até à zona da Salga a fim de localizar uma gruta de que se falava. Desceram a costa e encontraram perto da linha do mar a entrada de uma gruta. Entraram e percorreram-na até ao fim que estava obstruído com terra. Batizou-se de Gruta das Agulhas porque num determinado sítio do teto existia um “tapete” de estalactites pontiagudas, com alguns centímetros de comprimento.

Novembro 16 – Estudo topográfico da Gruta do Natal. Foi nesta altura que se finalmente concluiu que a Gruta não passava sob a Lagoa do Negro como era anteriormente pensado.

Novembro 30 – Nas comemorações do 6º aniversário da associação, os Montanheiros convidaram a população a visitar a Gruta das Agulhas no Porto Judeu. Para o efeito foi construída uma escadaria em madeira que permitia o acesso mais fácil à entrada da gruta. Durante dois dias (30 novembro e 1 de dezembro) a gruta esteve aberta ao público tendo sido visitada por milhares de pessoas.

Dezembro 25 – 1ª Missa de Natal na Gruta do Natal, pelas 12 horas, pelo venerando Arcebispo de Goa e Patriarca das Índias Orientais Sr. D. José Vieira Alvernaz, acolitado pelos Reverendos Senhores Cónego Jeremias Machado da Rocha Simões e Dr. Vasco Parreira. Primeira vez em que esta Gruta, conhecida por Gruta do Cavalo foi aberta ao público. Com esta missa, em que participaram cerca de 500 pessoas, mudou-se o nome para “Gruta do Natal”. Os preparativos envolveram o arranjo da estrada de acesso, parque de estacionamento para automóveis, construção da escadaria de acesso e iluminação da lagoa e interior da gruta. Foi construída uma escada em madeira, com 43 degraus e em dois lanços vencendo assim o desnível de 10 metros. Foi também construído o Altar e uma cruz em pedra. Várias entidades foram convidadas para assistirem à missa.