Cronologia 1970-1979

1893-1969 1970-1979 1980-1989 1990-1999 2000-2009 2010-2019

1970

Junho 21 – O Algar foi aberto à visitação, das 9:30 às 17:00 horas, após terminar a última fase de um 1º programa de aproveitamento turístico do Algar do Carvão. A escada da lagoa estava pronta e a iluminação ficou a cargo de projetores que foram instalados para o efeito. Havia que se descer 365 degraus até chegar ao cais e à jangada na lagoa. Só a jangada registou um movimento de 610 pessoas neste dia. Mais de 4 000 pessoas visitaram o algar durante os dias das Sanjoaninas em que esteve aberto ao público

Maio 28 – Neste dia começou-se a fazer a escadaria de madeira de acesso à lagoa do Algar do Carvão. Era dotada também de um cais e uma jangada. Foi durante a construção que o mestre Manuel Machado Gorgita caiu à água tendo sido a primeira pessoa a nadar na lagoa.

Agosto 2 – Os Montanheiros acompanharam o geógrafo francês Gerard Mottet na visita a várias grutas da ilha Terceira, tendo este desenhado alguns esboços e ter tirado apontamentos. Visitaram o Algar do Carvão, a Gruta dos Balcões, a Gruta do Natal e Gruta das Agulhas.

Agosto 8 – Descoberta e recolha de um fóssil de ave marinha numa pedra de 89 kg, na lagoa do Algar do Carvão. Pensa-se que poderá ser uma espécie de pardela extinta mas ainda está a ser estudado.

Outubro 13/17 – Américo Luiz e Rafael Azevedo deslocam-se á ilha do Pico onde descobriram o Algar dos Montanheiros e mais algumas grutas. Na altura chamaram apenas Algar Monstruoso, sendo depois alterado para Montanheiros em homenagem aos descobridores.

Dezembro 25 – 2ª Missa na Gruta do Natal. Os preparativos levaram os Montanheiros a fazer melhoramentos no acesso, a “ampliar” as salas da gruta. Colocaram-se várias árvores de Natal iluminadas com séries de lâmpadas. Foi montado também um presépio de figuras em tamanho real junto ao Altar. Construiu-se uma casa rústica, o “Lar do Montanheiro”, semelhante às do séc. XVIII, cópia fiel da habitação tradicional, utensílios, mobiliário, vestiário e até costumes representados por 2 figuras (manequins), seguindo-se um beberete em que predominou um vinho dos Biscoitos. Pelas 11:00 horas o Sr. Patriarca das Índias D. José Vieira Alvernaz celebrou a Missa de Natal, acolitado pelo Cónego Jeremias Simões e Dr. Vasco Parreira, em que assistiram cerca de 700 pessoas.

1971

Janeiro 31 – Tentativa de arrombamento da entrada do túnel do Algar do Carvão. Como a tentativa falhou os vândalos resolveram colocar pedras a tapar a porta.

Fevereiro 7 – As portas do túnel de acesso ao Algar do Carvão foram arrombadas por cidadãos americanos.

Maio 1 – Durante este mês reconstrui-se a escadaria em madeira de acesso ao Algar do Carvão que havia sido destruída por atos de vandalismo no ano anterior.

Julho 13/18 – Abertura do Algar dos Montanheiros em S. Roque do Pico. A gruta foi eletrificada e construíram-se uma escada de acesso. Realizou-se uma Missa no dia 18 de Julho pelo D. José Vieira Alvernaz.

Dezembro 1 – Nas comemorações do 8º aniversário foi apresentado o Hino dos Montanheiros com letra e música do Sr. António Mendes. Foi interpretado por Conceição Rocha, Manuel Gorgita, acompanhados à viola e violão por João Silva e Manuel Dutra. Foram também entregues diplomas aos Srs. José Ataíde da Câmara e Francisco Ramos Ferreira. A palestra ficou a cargo da Dr.ª. Reinalda Malafaia.

Dezembro 25 – 3ª Missa na Gruta do Natal. Os Montanheiros embelezaram os terrenos circundantes à gruta, construindo um fontanário, fazendo um pequeno jardim com canteiros de azáleas, japoneiras, plantadas também nas paredes e junto à entrada. Beneficiaram também o “Lar do Montanheiro” rebocando as suas paredes e caiando-as de branco, cobrindo o seu teto com telha regional. No interior foi colocado novamente árvores de natal iluminadas, sinos, estrelas e capacetes espalhados pela gruta. Pelas 12:00 foi celebrada no interior da gruta a Missa de Natal, pelo Bispo de Angra e ilhas dos Açores D. Manuel Afonso de Carvalho, acolitado pelo Cónego Jeremias Simões, ao qual assistiram cerca de duas dezenas de pessoas. No fim da missa foi batizada a menina Carla Cristina Marcelino, filha de Manuel Silveira Marcelino e Berta Maria Meneses.

 

1972

Junho 25 – Integrada nas Festas da Cidade os Montanheiros abriram a visitação à Gruta das Agulhas, no Porto Judeu, entre as 13:00 e as 16:00.

Julho 1 – Uma expedição do Montanheiro José Machado Fagundes, com a valiosa colaboração de Norberto Félix Machado, Sérgio Berquó Avelar, Rufino Cordeiro Dias Pereira e António Silva Costa, à ilha graciosa onde visitaram: a Galeria do Forninho (que durante muito tempo serviu de cozinha, de adega e de forno), Furna do Lavar e Furna do Castelo ou da Maria Encantada.

Agosto 1 – Os Montanheiros realizaram neste dia mais uma expedição à Gruta dos Balcões.

Setembro 5/10 – Segunda expedição à Gruta dos Balcões, com 5 elementos (Américo Luís, Carlos Castanha, Jorge Silva, José A. Bettencourt e Corvelo), tendo sido reconhecida toda a gruta, ou seja, explorados 3760 metros de gruta. Os trabalhos preparatórios envolveram a sinalização do acesso desde os Picos Gordos ao local, parque de estacionamento, vedação de entrada na gruta e montagem de barracas de acampamento para a brigada exterior, incluindo abastecimentos e posto de socorro. Antes da entrada, no dia 5 às 19:00 horas, uma inspeção médica pelo Dr. Mário Lima. Permaneceram no interior da gruta 115 horas. À saída (na tarde de Domingo) nova inspeção médica e entrevista para a União. Como curiosidade observaram uma derrocada inexistente na primeira exploração e que bloqueou o acesso para uma das mais interessantes salas, a mais de 2000 m da entrada, mas que havia ficado desenhada na primeira expedição. A meio da expedição José A. Bettencourt foi chamado pelos seus deveres profissionais e teve de abandonar a expedição.

Outubro 1 – Expedição a São Jorge, com realização da exploração e levantamento topográfico da Gruta do Leão, Gruta da Beira e Algar das Bocas de Fogo, feitas por Américo Luís e Rafael Azevedo.

Dezembro 8 – Organizado pelo Gabinete de Estudos Espeleológicos da Universidade de Lisboa, realizou-se nesta data o 1º Colóquio Nacional de Espeleologia em Lisboa. Os Montanheiros participaram com o envio de um trabalho sobre “Chaminés vulcânicas e Canais Lávicos” ilustrado com fotos.

Expedição à Gruta dos Balcões (1972) – Terceira

1973

Maio 30 – Os Montanheiros fizeram um curso de espeleologia com vista a despertar nas camadas mais jovens o interesse por esta atividade. As aulas teóricas foram ministradas na sede pelo Presidente da Direção e por um professor do liceu, ocorrendo as práticas a partir do dia 16 na Furna do Cabrito, na Gruta dos Principiantes e Gruta dos Balcões.

Julho 15 – Neste dia terminou a 3ª expedição com pernoita à Gruta dos Balcões. O grupo era composto por Américo Luís, Jorge Silva, Leonel Castanha, Fátima Marília Cabral Rodrigues e Maria Cecília Rodrigues Meneses. Entraram no dia 8 e permaneceram 8 dias no subsolo. À entrada e à saída foram feitos exames médicos pelo Dr. Ramiro Lima. O objetivo principal foi a desobstrução de uma sala a 2800 m da entrada, que havia ficado obstruída entre a primeira e a segunda expedição a esta gruta. Levou-se 300 kg de mantimentos e material diverso para a gruta. Foi montado um sistema telefónico para comunicações com o exterior e com a brigada de apoio composta por 12 pessoas.

Novembro 30 – Doação aos Montanheiros, por José Ataíde da Câmara e mulher, de uma fração de terreno com área de 3 ha de biscoito inculto, compreendendo o Algar do Carvão.

1978

Janeiro 8 – A Gruta do Natal abriu ao público neste dia, integrado nas comemorações de Natal, que tiveram o seu ponto alto na Missa de Natal, no dia 25 de Dezembro de 1977.

Fevereiro 27 – Montanheiros participam à polícia o facto de o Algar do Carvão ter sido novamente alvo de arrombamento, tendo sido forçado a fechadura da porta do túnel de acesso.

Dezembro 25 – Missa do Natal na Gruta do Natal, pelas 12:30, celebrada pelo Sr. Bispo de Angra e ilhas dos Açores D. Aurélio Granada Escudeiro. Depois da missa e até às 17 horas esteve presente um presépio vivo, onde constavam 16 quadros.

1979

Junho 29 – Integrado nas Sanjoaninas ocorreu uma mostra filatélica e espeleológica na sede de Os Montanheiros.

Julho 29/30 – “Operação Caranguejo”. Os Montanheiros Manuel Aguiar e Jorge Silva foram resgatar Jorge Martinez cidadão porto-riquenho de 23 anos, que havia caído no algar da Furna Abrigo, na montanha do Pico, com cerca de 40 m. A operação levou cerca de 35 minutos, em que Manuel Aguiar desceu o algar para resgatar o indivíduo do seu interior, onde permanecera 18 horas desde a sua queda, tendo-o amarrado a uma maca que foi içada. O sinistrado tinha fraturas e lesões, mas encontrava-se com vida. Correspondeu-se com os Montanheiros durante vários anos após o sucedido.